subscribe img
Endereço:

80 Ladeira dos Barris,
Salvador, Bahia

Telefones:

Três policiais civis foram surpreendidos ao serem removidos da 7ª COORPIN/Ilhéus, onde eram lotados, sem motivação alguma. A remoção só chegou ao conhecimento dos servidores ao se darem conta da publicação realizada pelo Diário Oficial, que determinava o encaminhamento dos policiais para a DEAM de Ilhéus. Com a escassez de efetivo, contudo, a pouca quantidade de policiais civis que antes atingia a DEAM, agora, atinge as demais unidades policiais da 7ª COORPIN. 

Entre os policiais removidos, está a escrivã do Cartório Regional da 7ª COORPIN/Ilhéus e diretora do SINDPOC, Kelly Porto, que foi removida de forma verbal para outra unidade policial. A prática de remoção de uma dirigente sindical soa ao SINDPOC como uma perseguição da Polícia Civil para com a entidade, e esse tipo de ação precisa ser abolida.

É necessário lembrar que o encaminhamento de policiais civis de uma delegacia para outra tem como objetivo suprir a falta de servidores que existe em uma unidade policial, algo que não surtiu efeito algum na remoção dos policiais da 7ª COORPIN/Ilhéus, já que o local terá desfalque e não haverá policiais para substituí-los.

De acordo com a tabela de efetivo registrado em agosto de 2020 pela Polícia Civil, existem vagas, em todo o estado da Bahia, para 411 delegados de polícia, 2.871 investigadores e 349 escrivães, totalizando a falta de 3.631 servidores em unidades policiais, que deviam estar trabalhando a serviço da população. O SINDPOC questiona ao Governo do Estado qual o motivo para a falta de abertura de concursos para a Polícia Civil e a não nomeação de servidores dos concursos de 1997 e 2018, que até os dias de hoje aguardam para serem efetivados. 

A remoção da diretora Kelly Porto evidencia uma atitude antissindical, a qual o SINDPOC estará tomando as medidas legais necessárias para que não ocorra novamente. A entidade também continuará lutando pela nomeação de policiais e concursos para que novos servidores possam compor a equipe da Polícia Civil, que sofre com o baixo efetivo.

A situação foi informada aos diretores do SINDPOC, durante o ato em homenagem ao Soldado Wesley Góes em Ilhéus, que objetivou lutar contra a desvalorização do servidor da Segurança Pública, e eles estiveram presentes na 7ª COORPIN com quatro representantes: o segundo vice-presidente Diego Messias e os diretores Roberto Cerqueira, Luís Antunes e José Ricardo Santos.

COMPARTILHAMENTO: