Profissionais da Segurança Pública irão realizar protesto contra a Reforma da Previdência no feriado do 2 de Julho

Policiais civis, federais e rodoviários federais irão realizar um protesto contra a Reforma da Previdência, no feriado do 2 de julho, às 13hs, na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Em defesa dos policiais civis e em repúdio à retirada de direitos que será promovida pela Reforma da Previdência, SINDPOC realizará uma caravana que sairá de Salvador, na próxima segunda-feira(1), às 6hs,rumo à Brasília. Os policiais civis que desejam participar da caravana devem confirmar presença  até esta sexta-feira(28), ao meio dia,através da recepção do SINDPOC (71)3016-4541/ (71 )3016-6289 e encaminhar o nome, CPF e contato telefônico.

O Presidente do SINDPOC, Eustácio Lopes, salienta que a PEC 006/2019 da Reforma da Previdência penaliza os trabalhadores da Segurança Pública, principalmente, os policiais civis, federais e rodoviários federais que serão prejudicados com a retirada da integralidade e da paridade e sofrerarão com o aumento significativo dos anos de contribuição. “Atualmente, as mulheres da Polícia Civil se aposentam com 25 anos de contribuição e os homens com 30 anos de contribuição. Só vamos alcançar a  Aposentadoria equivalente a 100% do salário apenas quando completarmos 40 anos de contribuição.
Com a aprovação da Reforma da Previdência,   aos 30 anos de contribuição iremos receber o valor correspondente a 60% do salário,” esclarece o sindicalista.

Eustácio Lopes salienta que os policiais civis, policiais federais e rodoviários federais reivindicam os mesmos direitos dos policiais militares e das Forças Armadas. “Nós queremos as mesmas condições dos policiais militares e das Forças Armadas. Vivemos uma guerra diária! Todos os dias policiais civis são abatidos e mortos no Brasil! As Forças Armadas vivem  aguardando uma iminência de uma guerra sendo que, na verdade, nós enfrentamos cotidianamente uma guerra. Não podemos deixar de sermos considerados como atividade de risco conforme prevê a Reforma da Previdência”, frisa Eustácio Lopes, Presidente SINDPOC.