Peritos papiloscopistas baianos se disponibilizam a irem à África para ajudar na identificação dos corpos e desaparecidos

O Brasil já enviou aos países africanos 20 integrantes da Força de Segurança Nacional e 20 bombeiros que trabalharam na tragédia de Brumadinho aos países africanos  […]

papiloscopia impressao digital (1)

O Brasil já enviou aos países africanos 20 integrantes da Força de Segurança Nacional e 20 bombeiros que trabalharam na tragédia de Brumadinho aos países africanos  devastados pelo ciclone Peritos papiloscopistas baianos se disponibilizam a irem à África com o objetivo de ajudar na identificação dos corpos e desaparecidos vítimas da tragédia do ciclone. O perito técnico e Vice-Presidente do SINDPOC, Diego Messias, ressalta que se os governos federal e estadual avaliarem como “interessante e necessária” a ida dos peritos papiloscopistas à África, a categoria está disponível. ” Se os países africanos estiverem precisando de papiloscopistas, nós somos qualificados e estamos à disposição. Vale lembrar que a papiloscopia é uma técnica rápida e barata para fazermos a identificação dos corpos. É uma situação que envolve relações exteriores e queremos enfatizar que estamos disponíveis”, frisa Diego Messias. ASCOM SINDPOC

Mocambique