Em parceria com o SINDPOC, evento debate saúde dos trabalhadores da Segurança Pública

A finalidade do projeto consiste em mapear as principais doenças adquiridas durante a atividade laboral

Através de parceria com o SINDPOC, a Associação dos Professores Profissionais (PPI/APLB) realizou, no município de Ilhéus, o primeiro Encontro Estadual da Rede Vida Viva para discutir questões sobre a saúde do trabalhador da Polícia Civil. O encontro reuniu cerca de 20 policiais entre investigadores e escrivães e o objetivo da parceria consiste em mapear as principais doenças ocupacionais que atingem os policiais civis baianos. Além de apontar as causas do adoecimento, o relatório irá propor um plano de ação que será encaminhado ao Delegado-Geral, Bernadino Brito, e à Secretaria de Segurança Pública.

O diretor do SINDPOC, Roberto Cerqueira, destaca que, apesar de ser um projeto piloto, já conseguiu identificar alguns sintomas que são recorrentes entre os policiais civis, como dor na coluna, dor no ombro, depressão, insônia e enxaqueca que são provocados pela carga alta de estresse, sobrecarga de trabalho e casos de assédio moral. ” Aguns policiais, aparentemente, não estão rendendo a contento devido às doenças que são adquiridas durante a labuta cotidiana e as pressões que sofrem no dia dia”, afirma Roberto Cerqueira.

Os servidores que participaram da atividade parabenizaram o Presidente do SINDPOC, Eustácio Lopes, a professora Enilda Mendonça, e o Coordenador Regional, Evy Paternostro, pela iniciativa pioneira no Estado.

O projeto terá uma segunda turma, que será realizada em 05 de setembro, e será organizada uma Comissão que vai ficar responsável em avaliar e apresentar um relatório do mapeamento das doenças ocupacionais dos trabalhadores da Polícia Civil em vários municípios do Estado. A atividade contou com as presenças dos diretores Roberto Cerqueira, Jandira Isabel, Silvestre Ângelo, Kelly Porto, Heloísa Gomes
João Célio Carvalho e José Adriano Nunes.

ASCOM SINDPOC