Investigador agradece apoio do Sindpoc

O servidor passou mal na unidade onde é lotado e teve o socorro negado pelo colega do expediente

O investigador Jair Maia, lotado na Delegacia Territorial de Candeias, agradece o apoio que recebeu da diretoria do Sindpoc em relação ao incidente que ocorreu na unidade onde trabalha. O servidor passou mal devido à pressão alta e teve o socorro negado por um colega que, apesar de ter constatado o quadro de saúde do investigador, deu prioridade a levar o delegado à residência em Salvador.

O Diretor de Comunicação do Sindpoc, Marlon Santa Rosa, explica que, segundo o decreto Decreto 9.486/05, art. 9, inc. XII. , do Governo do Estado, o qual disciplina sobre aquisição, locação, identificação e utilização de veículos automotores no âmbito da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, apenas o Delegado-Geral possui a prerrogativa de fazer o deslocamento até a residência com veículo oficial da Polícia Civil. ” O colega além de não ter sido voluntário, infringiu o normativo jurídico.Pode ficar sujeito à sindicância”, pontua o dirigente sindical.

A Vice-Presidente do Sindpoc, Ana Carla Conceição, tomou conhecimento do ocorrido através das redes sociais e, de imediato, entrou em contato com o servidor e garantiu que o Sindpoc irá tomar todas as medidas cabíveis para defender e proteger o investigador. “Acolhemos o colega nesse momento tão difícil devido à omissão, à falta de socorro, à falta de companheirismo dos outros servidores. A função do Sindpoc é estar ao lado dos policiais civis nos momentos que eles mais precisam!”, salienta a dirigente sindical.

“Não desejo que nenhum colega passe pelo o que eu passei! Foram momentos muito difíceis dentro da minha unidade onde eu estava de serviço! Quero agradecer ao sindicato que comprou a causa e que está me dando total apoio! Estou percebendo outra cara do Sindpoc”, agradece o investigador.

Ascom Sindpoc

“Como pode um policial usar tarja preta e portar arma de fogo para defender a sociedade?”, questiona Presidente do Sindpoc, ao propor uma avaliação anual do quadro psíquico dos policiais civis baianos

O sindicato salienta que a Bahia não possui nenhum Programa destinado à saúde mental dos servidores