Banco de Talentos: Investigador de Luís Eduardo Magalhães alia esporte à atividade policial

Tri campeão de natação, Maurício Dias também coleciona, além de títulos, certificados em cursos de aperfeiçoamento da carreira policial.

Investigador de polícia, licenciado em educação física, faixa preta grau 1 de kick boxing, praticante de muay thai, tetracampeão baiano de jiu jitsu e “viciado” em cursos de aperfeiçoamento. Esse é Maurício Dias Dantas de Miranda, o personagem dessa semana do quadro Banco de Talentos, do Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia (Sindpoc).

Aos 35 anos, Maurício atua no setor de investigação da delegacia de Luís Eduardo Magalhães, na região oeste da Bahia. Com pós-graduação em Metodologia do Ensino Superior, nosso personagem do Banco de Talentos tem um histórico de atuação na área da segurança pública.

“Durante alguns anos, trabalhei no sistema penitenciário da Bahia, onde atuei como Coordenador de Escoltas e Procedimentos Operacionais, no Conjunto Penal do município de Jequié”, relata Maurício. Também nesse período de sua vida, foi membro do Grupo Especial de Operações Prisionais GEOP-Ba, que atua em situações de intervenção em ambientes confinados, escoltas de alto risco e acompanhamento de autoridades.

Tri campeão de natação, Maurício Dias também coleciona, além de títulos, certificados em cursos de aperfeiçoamento da carreira policial. Em seu currículo, cursos de Intervenção Tática, paraquedista, choqueano (agente que atua no controle de distúrbios públicos), de Inteligência Policial e no Sistema Prisional, além de Gerenciamento de Crises.

“Como atleta e formado em educação física, estou sempre em busca de atividades que aliem o esforço físico com o trabalho policial, incluindo o de inteligência. Por isso, estou sempre em busca de novas oportunidades para agregar conhecimentos e me tornar um profissional cada vez melhor”, declara Maurício.

Incidente – No fim do mês de novembro, o investigador Maurício Dias esteve no centro de um episódio de assédio moral, quando um juiz da comarca de Luís Eduardo Magalhães solicitou que ele saísse da sala de audiências após lhe questionar sobre suas tatuagens. O caso gerou uma nota de repúdio por parte do Sindpoc e iria se desdobrar para uma denúncia formal. No entanto, um entendimento entre as partes, encerrou o assunto.

“O incidente ocorrido com o magistrado serviu para fortalecer os laços de união na categoria policial da Bahia. Fiz pela classe, pela instituição. Amo ser policial e não queria outra coisa. Servir e proteger, esse é o nosso lema”, finaliza Maurício, ao reforçar que o episódio já foi superado.

Sindpoc e Caic realizam curso de Cyber Segurança

As turmas deverão ter no máximo 25 alunos, formadas pelos chefes dos Serviços de Investigação das Delegacias da capital.

O Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia (Sindpoc), em parceria com o Centro de Aprendizagem e Integração de Cursos – CAIC, realiza o 1º Curso em Cyber Segurança. O evento será desenvolvido na capital, Região Metropolitana e coordenadorias do interior.

A primeira turma acontecerá na sede do CAIC, localizada na Ladeira dos Barris, 03 – Barris – Salvador, nos dias 13 e 14 de dezembro, das 8h às 12h e das 13h às 17h. Terá duração de 20 horas-aula, sendo 16 de conhecimento específico da área de Cyber Segurança e 4 horas de temas transversais.

A inscrição custará três quilos de alimento não perecível. As turmas deverão ter no máximo 25 alunos, composta pelos chefes dos Serviços de Investigação das Delegacias da capital.

O curso será ministrado pelo professor Marco Aurélio Thompson, formado em pedagogia, com quatro licenciaturas plenas, mestrando em heutagogia e especialização em psicopedagogia. Escritor na editora Érica-Saraiva e na Editora do Autor. Jornalista, palestrante, hacker ético profissional e programador de computadores em mais de 20 linguagens.

Thompson tem experiência na área de Segurança da Informação com ênfase em treinamento, testes de invasão para fins de segurança, perícia digital e computação forense. Na área de educação, tem experiência em heutagogia, aceleração da aprendizagem, desbloqueio para aprendizagem de idiomas e atendimento de superdotados.

O curso tem como coordenador o professor Adriano Muniz, que coordena também o CAIC–Salvador.

Observações:

1 – Para confirmar vaga na turma, exige-se do interessado o compromisso de atuar como multiplicador dos conhecimentos adquiridos junto aos colegas de trabalho;

2 – Caso o Investigador que exerce o cargo de chefia não esteja filiado ao SINDPOC, deverá ser indicado outro Investigador.