Banco de Talentos: perita técnica é destaque na necropapiloscopia do Estado

O quadro Banco de Talentos do SINDPOC, nesta semana, homenageia uma mulher da Polícia Civil que faz a diferença. Nossa homenageada é a perita técnica Amanda Pereira, 36 anos, lotada no Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Jacobina.

A servidora trabalha com a identificação necropapiloscópica com foco em “cadáveres especiais”, que encontram-se em estágio avançado de putrefação. “Nosso trabalho social consiste em identificarmos  corpos que, muitas vezes, então em  estágio de esqueletização ou putrefeitos, com a pele bem seca ou se desfazendo, para trazermos a dignidade e o conforto aos familiares que poderão enterrar seus entes queridos”, salienta a perita.

A servidora que é casada com o perito técnico Frédson Valois, também lotado no DPT de Jacobina, conta que já presenciou  casos de cadáveres que foram identificados e os familiares não tinham recursos para irem buscar o corpo no DPT.  “Em parceria com a Prefeitura e outras instituições nós conseguimos realizar o sepultamento dessas pessoas e fizemos o registro do óbito”, pontua.

Por incrível que pareça, nossa perita técnica necropapiloscópica possui graduação em Letras com dupla habilitação nas línguas Inglesa e Portuguesa, é graduada em Direito, possui Pós-Graduação em Docência Superior,  em Direito Penal e Direito Processual Penal. Foi nomeada na Polícia Civil, em janeiro de 2007, quando estava na metade do curso de Direito.

Nossa perita técnica que faz a diferença é mãe de um menino de 1 ano e três meses e tem como hobbies viajar, andar a cavalo, conviver com  a família e adora curtir ambientes interioranos

Banco de Talentos: servidor desenvolve trabalho nas redes sociais com foco na valorização dos policiais civis baianos

O nosso quadro ” Banco de Talentos” traz, nesta quarta-feira(15), a história de mais um policial civil que faz a diferença.

O nome dele é Vinicius Aguiar, 31 anos, investigador lotado na Delegacia de Furtos e Roubos, localizada na Baixa do Fiscal, centro da capital baiana. o servidor foi nomeado em 2016, é formado em Ciências da Computação e está concluindo a graduação em Direito. Possui Pós-graduação em Ciências Criminais.

Antes de ingressar na Polícia Civil trabalhou, durante oito anos, como Analista de Sistemas. Ao longo desse período, desenvolveu software para sistema de automação industrial e internet bank e já atuou também como Agente Penitenciário, no Complexo Penitenciário de Salvador.

Nosso servidor desenvolve um trabalho junto ao grupo @policiacivilba no Instagram o qual tem como foco a valorização dos policiais civis baianos. As ações do grupo @policiacivilba visam conscientizar a população sobre a importância da Polícia Civil à sociedade. Já produziram três vídeos que abordam o papel desempenhado pelos policiais civis em defesa dos cidadãos e está prevista a realização de mais três obras audiovisuais.

“Acho importantíssimo esse quadro Banco de Talentos que está sendo realizado pelo SINDPOC. Durante muito tempo a gestão estadual vem valorizando apenas os outros cargos.Os investigadores, escrivães e peritos papiloscopistas sempre foram vistos como coadjuvantes, sem receberem o verdadeiro crédito pelo trabalho realizado. Até a própria Polícia Civil pode aproveitar as habilidades dos servidores que estão sendo expostas pelas matérias produzidas pelo Banco de Talentos”, comemora o servidor Vinicius Aguiar.

ASCOM SINDPOC

Banco de Talentos: policial civil é referência internacional em sistemas de defesa pessoal

O nosso quadro “Banco de Talentos” o qual realiza um trabalho de valorização dos policiais civis baianos, desta semana, traz a história de mais um servidor que possui uma qualificação profissional diferenciada.

O nome dele é Franck Mascarenhas Lima, 46 anos, investigador lotado na Segurança Orgânica do Departamento de Inteligência Policial (DIP). O servidor é especialista em sistemas de defesa pessoal israelenses. Sua formação marcial: faixa preta de Jiu Jitsu, monitor de Panantukan (boxe filipino), faixa preta em Krav Magá e instrutor nível internacional de Kapap.?

Participou do 4º Festival Internacional de Artes Marciais Israelenses realizado em Cesareia/Israelno ano 2016, quando recebeu a faixa preta de 3° dan de Kapap Krav Magá do Grand Master Moshe Galisko, presidente da IKA (International Kapap Association). Atualmente Franck é Vice-Presidente da FBKMK (Federação Brasileira de Krav Magá e Kapap), sediada em Goiânia, cujo presidente é o Mestre Veruilson Nogueira.

Por duas vezes participou do Estágio de Adaptação á Vida na Selva pelo CIGS (Centro Instrução Guerra na Selva – Exército Brasileiro) na Selva Amazônica; em 2018 foi graduado o 4º Dan de Kapap Krav Magá pelo Grand Master Moshe Galisko (IKA/Israel) durante o Seminário Internacional Kapap realizado no Clube da Hebraica em São Paulo.

Nas horas vagas o servidor ministra aulas artes marciais e sistemas de defesa pessoal em academias, aulas particulares e aulas para grupos; participa, organiza e ministra cursos, workshops, seminários e palestras sobre os diversos sistemas de defesa pessoal e qualidade de vida. Graduado em Educação Física e em Direito, o investigador é Pós-graduado em “Política e Estratégia do Estado” pela Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra/UNEB e pós-graduado, também, em Defesa Pessoal Aplicada à Segurança Pública e Privada pela (FACEI).

Como amante de atividades esportivas e marciais, pratica e estuda Muay Thai, Sistemas de Artes Marciais Filipinos (exemplo FCS Kali) e Boxe. No mês de abril 2019 participou de um Curso de Retenção e Contra Retenção de Arma de Fogo com o Instrutor Americano James Urban em São Paulo, destacando-se e sendo convidado para formação instrutor do Urban Tactical Instructors, ressaltando que foi muito enriquecedor e fundamental o aprendizado das técnicas apresentadas, pois além de serem atuais, seria necessário que cada operador de segurança pública, em especial policiais civis, aprendessem pelo menos o básico para salvaguardar a sua vida caso necessitasse confronto corpo a corpo, pois havendo arma de fogo os riscos de perde-la aumentam caso não empregue corretamente a técnica, visando a proteção e manutenção do armamento.

Krav Magá e Kapap são sistemas de defesa pessoal israelense

Possui diversos cursos nas áreas de artes marciais, sistemas de defesa pessoal, tática e fitness. O nosso policial que faz a diferença, tem como principais hobbies a realização de práticas esportivas, praia, cinema, teatro, andar de bicicleta, boa leitura, boa música, e jogar vídeo games. “Esse projeto do SINDPOC mostra que o sindicato reconhece e valoriza os seus associados e isso é de fundamental importância para mostrarmos que os colegas desenvolvam atividades paralelas que se destacam e obtém êxito”, salienta Franck Mascarenhas.

Banco de Talentos: através do conhecimento técnológico, investigador elucida crimes cibernéticos e recupera aparelhos celulares roubados durante assaltos a coletivos

O quadro Banco de Talentos do SINDPOC, a cada semana, irá homenagear policiais civis que desenvolvem trabalhos diferenciados e qualificados no combate ao crime e em defesa da Segurança Pública do nosso Estado.

A valorização dos servidores é o principal objetivo do Banco de Talentos. Nesta semana, nosso homenageado será o investigador Fabrício Santiago, 38 anos, lotado no setor de Inteligência do Grupo Especial de Repressão a Roubos em Coletivos (GERRC).

O servidor  possui graduações em Engenharia de Telecomunicações e Engenharia Elétrica, além de especializações na área de Redes avançadas de Computadores pelo SENAI (Cisco Networking Academy) e diversos cursos em Segurança da Informação, Inteligência de Crimes Cibernéticos e de Analista Criminal pelo SENASP. Pretende fazer Pós-Graduação nas áreas da “Segurança da Informação, Inteligência e Elétrica “, a partir do segundo  semestre.

O investigador ressalta que o conhecimento na área de Tecnologia facilita o processo de investigação dos crimes cibernéticos, a identificação e qualificação da autoria, e a recuperação de aparelhos celulares que são roubados durante os assaltos a coletivos.  “Desde quando entrei na Polícia Civil percebi que a instituição poderia valorizar mais os servidores que tem um conhecimento diferenciado. A Polícia Civil deveria estimular mais a qualificação dos servidores”, pontua o investigador Fabrício Santiago, que integra a turma dos nomeados em 2016, está há um ano no GERRC e trabalhou na delegacia de Repressão a Furtos e Roubos a Veículos.

Além do fascínio pelo saber tecnólogico, o investigador em seus momentos de lazer gosta de tocar contrabaixo, violão, frequenta academia, adora viajar e correr na praia.

ASCOM SINDPOC