Banco de Talentos: Investigador de Luís Eduardo Magalhães alia esporte à atividade policial

Tri campeão de natação, Maurício Dias também coleciona, além de títulos, certificados em cursos de aperfeiçoamento da carreira policial.

Investigador de polícia, licenciado em educação física, faixa preta grau 1 de kick boxing, praticante de muay thai, tetracampeão baiano de jiu jitsu e “viciado” em cursos de aperfeiçoamento. Esse é Maurício Dias Dantas de Miranda, o personagem dessa semana do quadro Banco de Talentos, do Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia (Sindpoc).

Aos 35 anos, Maurício atua no setor de investigação da delegacia de Luís Eduardo Magalhães, na região oeste da Bahia. Com pós-graduação em Metodologia do Ensino Superior, nosso personagem do Banco de Talentos tem um histórico de atuação na área da segurança pública.

“Durante alguns anos, trabalhei no sistema penitenciário da Bahia, onde atuei como Coordenador de Escoltas e Procedimentos Operacionais, no Conjunto Penal do município de Jequié”, relata Maurício. Também nesse período de sua vida, foi membro do Grupo Especial de Operações Prisionais GEOP-Ba, que atua em situações de intervenção em ambientes confinados, escoltas de alto risco e acompanhamento de autoridades.

Tri campeão de natação, Maurício Dias também coleciona, além de títulos, certificados em cursos de aperfeiçoamento da carreira policial. Em seu currículo, cursos de Intervenção Tática, paraquedista, choqueano (agente que atua no controle de distúrbios públicos), de Inteligência Policial e no Sistema Prisional, além de Gerenciamento de Crises.

“Como atleta e formado em educação física, estou sempre em busca de atividades que aliem o esforço físico com o trabalho policial, incluindo o de inteligência. Por isso, estou sempre em busca de novas oportunidades para agregar conhecimentos e me tornar um profissional cada vez melhor”, declara Maurício.

Incidente – No fim do mês de novembro, o investigador Maurício Dias esteve no centro de um episódio de assédio moral, quando um juiz da comarca de Luís Eduardo Magalhães solicitou que ele saísse da sala de audiências após lhe questionar sobre suas tatuagens. O caso gerou uma nota de repúdio por parte do Sindpoc e iria se desdobrar para uma denúncia formal. No entanto, um entendimento entre as partes, encerrou o assunto.

“O incidente ocorrido com o magistrado serviu para fortalecer os laços de união na categoria policial da Bahia. Fiz pela classe, pela instituição. Amo ser policial e não queria outra coisa. Servir e proteger, esse é o nosso lema”, finaliza Maurício, ao reforçar que o episódio já foi superado.

Banco de Talentos: Escrivão de polícia leva alegria e informação a jovens e crianças de Canarana

Francisco Assis desenvolve o projeto há 9 anos, beneficiando crianças carentes de Canarana

Escrivão de Polícia, esposo, pai de um casal, palestrante e criador do projeto “Faça uma Criança Feliz”. Esse é Francisco de Assis Bispo dos Santos, nosso personagem dessa semana do quadro “Banco de Talentos”. Lotado, atualmente, na Delegacia de Canarana, vinculada a 14ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin/Irecê), Francisco está nos quadros da polícia civil baiana há 15 anos.

Aos 46 anos, torcedor do Flamengo e do Bahia, nosso personagem divide suas horas vagas entre a atenção à família, palestras para jovens e crianças e o projeto “Faça uma Criança Feliz”. Ele conta que a iniciativa é levada a cabo há nove anos, em a parceria com o Conselho Tutelar e a Polícia Militar e tem como finalidade arrecadar doações de brinquedos, roupas, calçados usados e alimentos e distribuir às crianças da cidade e da zona rural de Canarana, sempre no dia das crianças.

“É gratificante chegar às comunidades com brinquedos, roupas e calçados e presentear as crianças, porque sabemos das dificuldades que muitas famílias passam no nosso país e levar esse alento a eles não tem preço. É pouco para nós, mas muito para quem recebe e sai feliz da vida com o que recebeu”, define Francisco.

Aproveitando de sua vivência no combate ao crime, o escrivão Francisco Assis leva a escolas e outras instituições de Canarana palestras sobre temas ligados à prevenção às drogas e ao suicídio, saúde e a importância de concluir os estudos, por exemplo. Nosso principal foco é alertar para os riscos e males do uso de entorpecentes. “Temos de alertar nossos jovens e crianças sobre os problemas que o uso das drogas traz para a saúde e para a convivência em sociedade”, defende Francisco.

As palestras acontecem já há dois anos e a receptividade, tanto dos ouvintes, quanto de pais e professores, tem sido positiva. “Também nas palestras, orientamos sobre a importância de finalizar os estudos, da prática esportiva, dos cuidados com a saúde mental, prevenção ao suicídio, entre outros temas que, como sabemos, povoam a cabeça dos nossos jovens e, por vezes, não são discutidos no ambiente familiar”, argumenta o escrivão.

Banco de Talentos: defensor da carreira única, policial se destaca na elucidação de homicídios

Além do trabalho policial, Fábio Henrique, integra uma associação que realiza trabalhos sociais em Camacan, sul da Bahia

Quinze anos e meio de Polícia Civil despertaram no investigador Fábio Henrique Viveiros de Carvalho a paixão pelo trabalho investigativo. Natural de Camacan, no sul da Bahia, está lotado, atualmente, na 23ª Delegacia, em Itabela, extremo sul do estado, onde atua há 14 anos.

Com um trabalho focado na resolução de crimes, Fábio Henrique, de 47 anos, comenta que cerca de 60% dos homicídios cometidos no município são elucidados, cenário bastante distante da média baiana.  “Meu lema é investigar, eu gosto desse trabalho e conto com a ajuda especial de gente do bem, que auxilia no trabalho policial. Chamo essas pessoas de “meus colaboradores”, explica Fábio.

Em 2014, decidiu dar continuidade aos estudos e hoje, Bacharelando em Direito, tem como objetivo principal ingressar na carreira de Delegado de Polícia. “Nos últimos meses, tomei conhecimento da bandeira da Carreira Única de Policia Civil, através do Sindpoc”.

O investigador defende essa idéia e acredita na reestruturação da corporação com visão no futuro, motivando o policial a permanecer na instituição e a se aprimorar cada vez mais. “Infelizmente, devido à precariedade de nossa corporação, contra a qual temos lutado incansavelmente, há policiais que já atuam em funções diferentes das suas, muitas vezes até mesmo para não ver o trabalho travado, então nada mais justo que unificarmos de vez as carreiras”, defende.

Além de ser destaque na elucidação de homicídio, o investigador Fábio Henrique faz parte de uma associação, localizada no distrito de São João do Panelinha, em Camacan. A entidade desenvolve dois projetos: “Criança Feliz”, que realiza a entrega de brinquedos e lanches no dia das crianças; e o “Natal sem Fome”, realizado antes do dia 25 de dezembro, com distribuições de cestas básicas.

Banco de Talentos: “quando você entra para a Polícia Civil, você muda a maneira de agir e pensar”, destaca o investigador Von Lessa que possui dois projetos sociais em Vitória da Conquista

“Dia das Crianças da Polícia Civil” e ” Limpe seu guarda-roupa” são os projetos sociais idealizados há 14 pelos investigadores Von Lessa e Fabiano César

Nosso homenageado do quadro Banco de Talentos, desta quarta-feira (7), é o investigador Dernivon Lessa, mais conhecido como “Von Lessa”, de 45 anos, Bacharel em Direito, licenciado em Física e pós-graduado em Ensino Superior. Atualmente, Von é lotado na 10ª Coordenadoria Regional do Interior (Coorpin) de Vitória da Conquista.

Há quase duas décadas na Polícia Civil, o investigador destaca a importância que a policia tem na sua vida e os acontecimentos que o transformaram em uma pessoa melhor. “Quando você entra para a Polícia Civil, você muda a maneira de agir e pensar porque passa a ter uma visão mais social sobre as comunidades”, disse Von Lessa.


Durante os 20 anos de serviço, Von sempre observou a realidade e as necessidades das crianças que vivem de forma vulnerável em comunidades carentes e, ao se questionar há 14 anos, pensou: “por que não ajudar?”. Com a ajuda do colega Fabiano César, Von idealizou e fundou dois projetos sociais: “Dia das Crianças da Polícia Civil” e “Limpe seu guarda-roupa”.

“Fundamos esses projetos para ajudarmos as crianças que passam dificuldades e, também, para mostrarmos que nós policiais somos seres humanos e estamos a serviço da sociedade”, enfatiza o investigador.

Os projetos sociais funcionam durante todo o ano recolhendo doações, mas a entrega é feita em apenas duas ocasiões: em outubro, Dia das Crianças, onde brinquedos são entregues em Vitória da Conquista e região, e em dezembro, quando os servidores fazem doações de roupas às comunidades da cidade.

Nosso servidor que faz a diferença é casado, tem dois filhos, e tem como principais hobbies assistir filmes e o hábito da leitura.

Ascom Sindpoc