Banco de Talentos: investigadora realiza trabalho social de combate à pobreza no município de Jandaíra

Servidores da 2° COORPIN de Alagoinhas confeccionaram placa para homenagear a investigadora

Nossa homenageada do quadro “Banco de Talentos”, desta quarta-feira(16), é a investigadora Maria Jucemar dos Santos, 66 anos, lotada durante 32 anos e 8 meses na 2° COORPIN de Alagoinhas. Nesse período, trabalhou 12 anos na Delegacia Territorial do município de Jandaíra, onde deparou-se com uma realidade de pobreza e exclusão social que a levou a fundar a Associação Comunitária “É Possível ser Feliz”, em 5 de março de 2009,  para tentar minimizar o quadro de vunerabilidade social, insegurança alimentar, baixa autoestima e dependência química das famílias carentes do município.  

A Associação possui 94 famílias e realiza palestras  com o objetivo de promover um trabalho com ênfase na valorização humana e no sentimento de pertencimento. Além da preocupação com o bem estar psicossocial, a instituição  fomenta a geração de emprego e renda às mulheres do município através de cursos de artesanato gratuitos. A Associação articula a participação das artesãs em feiras de Economia Solidária de Salvador para comercialização dos produtos artesanais e aumento da renda familiar.

Nossa servidora que faz a diferença  participa de cursos voltados à agricultura familiar para repassar o conhecimento às famílias associadas atuando como “multiplicadora social” e pretende construir uma parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) para implementar uma cozinha industrial na sede da associação. “O pessoal de lá é muito carente. Nosso objetivo é elevar a autoestima e tentar garantir o mínimo de dignidade humana”, destaca Maria Jucemar.

A Associação “É possível Ser Feliz” possui  convênio com o Programa “Fome Zero” e distribui, a cada 3 meses, feijão e suco às famílias que são associadas à entidade. 

Além desse trabalho de segurança alimentar e geração de emprego e renda, nossa servidora que faz a diferença encaminha alcoólatras e usuários de drogas para internamento na Casa do Oleiro, do pastor José Raimundo,  localizada em Alagoinhas. ” Conseguimos recuperar várias pessoas! Muitos se libertaram das drogas! Graças a Deus a maioria conseguiu a vitória!”, comemora a investigadora.

Nosso Talento da semana, antes de ingressar na Polícia Civil, trabalhou como professora de matemática e graduou-se em Serviço Social. A recém-aposentada era da turma de 1984 e foi a primeira mulher policial de Alagoinhas, um exemplo às outras mulheres que entraram depois na carreira. ” Foi muito gratificante ! Eu gostei muito da minha carreira! Eu amava minha profissão!”,pontua. Em 2017, recebeu uma medalha na Câmara de Vereadores de Alagoinhas,em  25 de julho, em homenagem ao Dia Nacional Tereza de Benguela e da Mulher Negra. Nossa servidora que faz a diferença tem como principais hobbies ler e ir à praia.

ASCOM SINDPOC