Entidades discutem produção de peças publicitárias da campanha “Assédio na Polícia Civil não é brincadeira! Denuncie!”

A campanha visa encorajar as vítimas a fazerem as denúncias de assédio que sofrem na Polícia Civil

Com o objetivo de promover uma campanha que denuncie os casos recorrentes de assédio que acontecem na Polícia Civil, 
representantes do SINDPOC, UNIPOL, AEPEB- Sindicato e ASSIPOC  se reuniram, nesta quarta-feira(16),na sede da Agência “Gênesis  Comunicação e Marketing”, do jornalista Robson Hamil,  onde debateram a concepção das peças publicitárias e o planejamento de comunicação da campanha que será realizada em Salvador e no interior baiano.

Para o Presidente da Associação dos Investigadores (ASSIPOC), Ary Alves, a realização de uma campanha que vise combater os diversos tipos de assédios que acontecem na Polícia Civil da Bahia é responsabilidade das entidades que representam os servidores. ” Quando o investigador é cortado da escala extra por ter uma opinião divergente do seu chefe, isso é um assédio moral! Quando o investigador é transferido sem ser consultado porque o seu chefe não gosta dele, isso também é assédio moral!”, pontua Ary Alves.

O Presidente do SINDPOC, Eustácio Lopes, ressalta que as vítimas de assédio tem medo de fazerem a denúncia por causa da repressão institucional.  “A  campanha através das peças publicitárias e do trabalho de comunicação tem como objetivo encorajar os servidores a fazerem as suas  denúncias. Os servidores precisam acreditar que eles serão acolhidos pelas entidades e pelos órgãos públicos “, frisa  Lopes.

De acordo com o  representante da UNIPOL, Denilson Neves, diversos servidores apresentam problemas de depressão, síndrome do pânico e chegam a cometer suicídio devido ao assédio que sofrem dentro da Polícia Civil. ” O assédio não é uma exceção na Polícia Civil, infelizmente, é uma regra! É algo que acontece cotidianamente! O assédio está por trás de muitas pessoas que estão em processo profundo de depressão e que chegam ao suicídio”, salienta Denilson Neves.

O Presidente da Associação dos Escrivães do Estado da Bahia (AEPEB-Sindicato), Luiz Carlos de Souza, destaca que o assédio manifesta-se também nas “usurpações das funções” que ocorrem com frequência na Polícia Civil. “Muitas vezes, o escrivão em vez de assessorar, acaba fazendo o trabalho que seria do delegado e isso não ocorre porque eles querem, não é  por livre iniciativa dos servidores, mas porque eles são coagidos. Quando o servidor se nega a fazer o serviço que não é sua função, ele ainde sofre com as  perseguições e remoções ilegais! Assédio é crime!” denuncia Luiz Carlos.

ASCOM SINDPOC

Durante evento da ” Frente Parlamentar em Defesa da Mulher”,  realizado pela Câmara de Vereadores de Ilhéus, presidida pelo vereador Makrisi Sá (PT-BA) e pelo Vice-Presidente e vereador Pastor Matos(PSD),nesta semana, o diretor do SINDPOC, Roberto Cerqueira, defendeu o projeto de construção de uma Casa de Apoio destinada às mulheres que são vítimas de violência doméstica, assédio moral e assédio sexual do município.

A proposta defendida pelo diretor prevê a formação de uma equipe multidisciplinar para que sejam oferecidos  atendimentos com profissionais de várias áreas como psicólogos, terapeutas, médicos clínicos, advogados e assistentes sociais. 

“É extremamente importante darmos um suporte e desenvolvermos um trabalho com foco nas mulheres que sofrem qualquer  tipo de violência, seja no ambiente doméstico, seja no trabalho ou na esfera pública”, ressalta o sindicalista Roberto Cerqueira.

A atividade contou com a participação de representantes da Prefeitura de Ilhéus, como a Coordenadora de Saúde da Mulher, Rosilma de Oliveira, a Coordenadora de Saúde da Criança  e do Adolescente, Isnália Matos, a Coordenadora da Atenção Básica, Jailma Nascimento, o Coordenador da Vigilância Epidemiológica, Gleidson Souza, e representantes da OAB.   Em 5 de agosto será realizado um seminário sobre atenção à saúde básica que irá apresentar novos projetos ou possíveis modificaçoes e o Presidente da Mesa, o vereador Makrisi Sá (PT) e o vereador Pastor Matos(PSD)  propuseram uma discussão para ser realizada, em 12 de agosto, sobre o trabalho desenvolvido pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher ( DEAM), de Ilhéus, onde o  SINDPOC será representado pelo diretor Roberto Cerqueira.

ASCOM SINDPOC