Search
quarta-feira 13 dezembro 2017
  • :
  • :

NOTA DE REPÚDIO

NOTA1

O Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia – SINDPOC,  repudia a atitude da Secretaria da Segurança Pública em revelar métodos e estratégias de investigação criminal em matéria sensacionalista e desesperada, quando publicou no site e jornal impresso do Correio da Bahia, no dia 26 de janeiro de 2017, o que foi replicado em vários blogs e mídia sociais, que a Polícia Civil utiliza o método investigativo de identificação e prisão de autores de crimes de roubos a coletivos em Salvador, por meio de infiltração de mulheres policiais civis para observar e revelar a atuação dos meliantes, demonstrando à sociedade como ocorre o disfarce e o perfil desses profissionais.

Essa revelação põe em risco todas as mulheres que utilizam transportes coletivos urbanos e interurbanos na medida em que, o meliante conhecedor dessa informação que agora se tornou público, passará a desconfiar, revistar e  vitimar mulheres que eles entendam que sejam policiais infiltradas. Muito pior ficará para as policiais civis mulheres que enfrentam todos os dias a rotina de utilizar o transporte público para ir e vir para o labor de sua atividade.

Os métodos de investigação criminal pela instituição devem ser sigilosos na sua execução, conforme previsão da Lei Orgânica da Polícia Civil, que estabelece no inc. III do Art. 89, que é “dever do policial civil manter sigilo funcional quanto à matéria dos procedimentos em que atuar”. O gestor, cumprindo ordem de quem não sabemos, feriu tal normativa com essa infeliz informação e colocou em perigo muitas mulheres, policiais ou não, que fazem uso do transporte público.

Esta entidade entende que mais uma vez a Secretaria da Segurança Pública desesperada em ofuscar a sociedade com a falsa sensação de segurança, que foi causada por esse modelo falido nominado “pacto pela vida” ou mais conhecido como “pacto pela morte dos baianos”, utilizou do mesmo expediente ilusório para colocar em risco a vida de profissionais da Polícia Civil quando revelou tais informações sobre as praticas dos métodos investigativos e analíticos da instituição.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook

Get the Facebook Likebox Slider Pro for WordPress